Reflexão sobre o livro de fevereiro de 2016: 




Pessoalmente não tenho um gosto especial pelos livros de poesia e quando o sr.pe. José Alves nos propôs, para o mês de fevereiro, a leitura de um livro de poesia não fiquei muito entusiasmada. Para mim, a maioria dos poetas, usa uma linguagem que recorre a imagens que têm muitos sentidos e, por via disso, obrigam a um exercício de raciocínio que não tem exatamente a ver com o que desejo quando leio um livro de formação espiritual. Mesmo assim aceitei o desafio e parti ao encontro de “Orando em Verso” de Joaquim Mexia Alves.

Em termos globais, gostei do que li. Os primeiros poemas foram-me introduzindo no estilo do autor e abrindo o espírito para a parte final. Os poemas que mais apreciei estão, mais ou menos, a meio do livro, fundamentalmente a partir da página 83. Porquê?  Porque me foram revelando uma alma que se abriu ao Senhor e se lhe entrega dia a dia, dentro de todos os problemas e alegrias que a vida comporta. Enraizado no seu amor a Deus, o autor partilha connosco, o que é para ele viver de Deus em situações que nos transportam para a nossa própria vida, para várias dos acontecimentos com que nos debatemos tantas vezes e ajuda-nos a entregarmo-nos a Deus Amor em todos esses momentos. 

Usa uma linguagem poética, é certo, mas muito clara e bela. Percebe-se muito bem. Fala ao coração de quem busca Deus no quotidiano da vida.


Mais em pormenor destaco os poemas “Quem é o maior nos Reino dos Céus?”;  “Mestre que eu veja” ; “O Teu nome Senhor”; “Eucaristia”; “Quaresma”; “Pés peregrinos”; “Onde está Deus?”; “Meu Deus e meu Senhor”; “Envergonhado”; “Entraste na minha vida”; ”Cântico branco” e “A luz pequenina”.  Em todos, de uma forma, ou de outra, senti-me irmanada com o autor em muitas das vivências que partilha com o leitor. É bom darmo-nos conta que Deus faz uma história de amor com cada um que ousa abrir-lhe o coração de par em par. Este, do meu ponto de vista, é um livro de alguém que no percurso da sua vida fez, no mais íntimo do seu coração, a experiência do encontro com Jesus, pois o que diz, e a forma como o exprime, soam a verdadeiro, a fé vivenciada, experimentada. 

O meu muito obrigada ao autor por esta partilha de vida.


Música-litúrgica

Pároco