Campanha de solidariedade do Natal da paróquia de Porto de Mós

Este ano, depois da calamidade dos fogos do verão, a campanha de solidariedade, que habitualmente a paróquia de Porto de Mós organiza com as crianças da catequese por ocasião do natal, foi para ajudar as pessoas vítimas dos fogos.

Em reunião de catequistas esta foi a escolha. E assim aconteceu. Foram feitos contactos com algumas departamentos sociais de vários municípios e foi decidido angariar tudo o que conseguíssemos para auxiliar o máximo de pessoas possível que tivessem sido vítimas desses fogos excepto roupas de vestir e alimentos. Tudo o resto poderia ser recolhido para depois ser entregue diretamente às pessoas necessitadas.

Assim começou a campanha. Contudo, durante o tempo do advento, pouco se conseguiu juntar. Depois, lá apareceu uma cama e um roupeiro; depois outra cama, um fogão e pequenos eletrodomésticos. Nas missas dominicais na igreja de S. Pedro o pároco começou a convidar as pessoas a colaborar também com ofertas monetárias com a condição dessas ofertas serem convertidas em árvores pois a opção era de oferecer bens e não dinheiro.

Depressa muitas pessoas começaram a colaborar e, aos poucos, nos peditórios feitos na Igreja de S.Pedro aos Sábados e Domingos,  conseguiu-se juntar 1.330, 13 €. Com este dinheiro compraram-se as seguintes árvores com a colaboração e algumas ofertas dos viveiros “Mygarden” de S. Jorge: 60 medronheiros, 35 oliveiras tamanho pequeno e médio, 1500 pinheiros, 15 videiras podsadas e meia dúzia das seguintes árvores cada: tílias, ameixeiras, macieiras, pereiras, pessegueiros, diospereiros, limoeiros, laranjeiras, tangerineiras. Além destas árvores muitas outras e algumas já de médio/grande porte, foram oferecidas por diversas pessoas essencialmente do lugar do Tojal.

Na Fonte do Oleiro e lugares limítrofes, foi feito um peditório pelas catequistas e outras pessoas que se juntaram. Além de alguns bens conseguiram recolher mais de 1000 euros.
Destes foram gastos na compra de sacos de rações para gado ovino e caprino. Esta era uma das necessidades mas referidas nos contactos havidos com diversas entidades  locais das terras onde os fogos dizimaram quase tudo. Consultados os mesmos catequistas acordou-se comprar 120 sacos de ração.

A junta de freguesia de Porto de Mós disponibilizou-se para se encarregar do transporte, usando a sua carrinha. Com o avolumar de ofertas quase até à hora de partir, foram necessários mais dois carros que o município de Porto de Mós prontamente disponibilizou para se poder levar todos os bens.

O local de destino destes bens, depois de muitos contactos havidos, nomeadamente párocos das zonas ardidas, foi a junta de freguesia de  Oliveira do Hospital. Neste concelho arderam mais de 200 casas. E a entidade que organizou armazéns de triagem e de distribuição destes bens foi a junta de freguesia. Contactado o presidente e tudo preparado todos os bens foram entregues in loco nesta quarta-feira, dia 24 de janeiro de 2018.

A comitiva foi muito bem recebida e o presidente da junta local ficou muito agradecido com os bens oferecidos que convidou toda a comitiva para um almoço de agradecimento pelo ação benemérita realizada. A junta de freguesia de Porto de Mós comprometeu-se a voltar a ajuda-los numa próxima campanha para ajudar algumas famílias que mais ficaram arredadas das ajudas que entretanto o governo e outras entidades irão dar nos diversos projetos de apoio.

Para todas as pessoas que colaboraram nesta campanha o nosso muito obrigado.











Música-litúrgica

Pároco