Alguns apontamentos sobre o livro: “Preço a pagar por ser cristão”  de  Joseph Fadelle

Pág.22 – “O que me espanta mais … é sobretudo a capacidade de ouvir a minha história com uma atenção pouco habitual…” Mais do que as palavras, a capacidade de acolhimento do outro, o amor com que se escuta o que nos é dito, é que toca o coração.

Pág.24/pág25 – “Já leste o Alcorão?”…”Mas leste mesmo?”  Estranha esta pergunta quando feita a um muçulmano. E, no entanto, o coração de Massoud começa a mudar a partir da leitura aprofundada do Alcorão. Quantas vezes cumprimos rituais sem conhecermos os princípios, os fundamentos da fé que professamos! Também nos podiam pôr a mesma questão a nós, cristãos: já leste/escutaste, no teu coração, os Evangelhos? Mas leste mesmo?

Pág.32 – “Neste marasmo…continuo a crer em Alá, na sua bondade…, maior do que o próprio Alcorão e do que Maomé…”. Deus é sempre o fundamento e, penso eu, crer n’Ele é a certeza de estarms no bom caminho.

Pág35 – “Pousando sobre mim um olhar de uma doçura infinita…Para atravessares o ribeiro precisas de comer o pão da vida.” Este momento impressiona sobretudo por aquilo que vai representar na vida deste muçulmano.

Pág.36/37/38 – Esta páginas, no seu todo, são sublimes, são um alimento para a alma. Revelam a descoberta de Deus Amor, enamorado da sua criatura mais preciosa - o ser humano. Massoud faz a experiência do encontro com Deus Amor e expressa de uma forma tão bela o que sente! É quando uma alma se encontra assim com Deus, no mais íntimo de si mesma, que se dá uma tal transformação no seu ser, que leva a encetar uma caminhada que só pode terminar no encontro face a face com Deus, acho eu.

Em termos gerais, este livro é um tributo a todos os que sofreram, ou estão a sofrer ainda hoje, ao serem perseguidos, porque amam Jesus e desejam que Ele seja conhecido e amado por toda a humanidade. É também de realçar a intervenção daqueles que, ao longo do caminho, correndo riscos incalculáveis, se predispõem a ajudar os que buscam a Deus. Esta parte da vida de Massoud é impressionante e há momentos, que nos são apresentados, que nem ouso comentar, por aquilo que podem representar, não só para os cristãos, mas para toda a família humana. Ficou também bem vincada, em mim, a força, a perseverança, de quem corre por e com Cristo. Apetece-me exclamar como S. Paulo na epístola aos romanos “nada nos pode separar do amor de Deus”.
Obrigada por ter escolhido este livro! Valeu.




Música-litúrgica

Pároco