Avisos paroquiais de 26 de março a 2 de abril de 2017


Via-Sacra em Fátima - Domingo - 2 de Abril - 16:00h

http://imagemdefatima.blogspot.pt/

Imagens Nª Senhora e dos pastorinhos em Fibra de Vidro



Pagela da Oração do Centenário das Aparições de Fátima


Lista dos Festeiros de Nª Srª da Piedade 2017


IV DOMINGO DA QUARESMA 


LEITURA I 1 Sam 16, 1b.6-7.10-13a 

Leitura do Primeiro Livro de Samuel 
Naqueles dias, o Senhor disse a Samuel: «Enche a âmbula de óleo e parte. Vou enviar-te a Jessé de Belém, pois escolhi um rei entre os seus filhos». Quando chegou, Samuel viu Eliab e pensou consigo: «Certamente é este o ungido do Senhor». Mas o Senhor disse a Samuel: «Não te impressiones com o seu belo aspecto, nem com a sua elevada estatura, pois não foi esse que Eu escolhi. Deus não vê como o homem; o homem olha às aparências, o Senhor vê o coração». Jessé fez passar os sete filhos diante de Samuel, mas Samuel declarou-lhe: «O Senhor não escolheu nenhum destes». E perguntou a Jessé: «Estão aqui todos os teus filhos?». Jessé respondeu-lhe: «Falta ainda o mais novo, que anda a guardar o rebanho». Samuel ordenou: «Manda-o chamar, porque não nos sentaremos à mesa, enquanto ele não chegar». Então Jessé mandou-o chamar: era ruivo, de belos olhos e agradável presença. O Senhor disse a Samuel: «Levanta-te e unge-o, porque é este mesmo». Samuel pegou na âmbula do óleo e ungiu-o no meio dos irmãos. Daquele dia em diante, o Espírito do Senhor apoderou-Se de David. 
Palavra do Senhor. 




LEITURA II Ef 5, 8-14 

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios 
Irmãos: Outrora vós éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Vivei como filhos da luz, porque o fruto da luz é a bondade, a justiça e a verdade. Procurai sempre o que mais agrada ao Senhor. Não tomeis parte nas obras das trevas, que nada trazem de bom; tratai antes as denunciar abertamente, porque o que eles fazem em segredo até é vergonhoso dizê-lo. Mas todas as coisas que são condenadas são postas a descoberto pela luz, e tudo o que assim se manifesta torna-se luz. É por isso que se diz: «Desperta, tu que dormes; levanta-te do meio dos mortos e Cristo brilhará sobre ti». 
Palavra do Senhor. 




EVANGELHO – Forma longa Jo 9, 1-41 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João 
Naquele tempo, Jesus encontrou no seu caminho um cego de nascença. Os discípulos perguntaram-Lhe: «Mestre, quem é que pecou para ele nascer cego? Ele ou os seus pais?». Jesus respondeu-lhes: «Isso não tem nada que ver com os pecados dele ou dos pais; mas aconteceu assim para se manifestarem nele as obras de Deus. É preciso trabalhar, enquanto é dia, nas obras d’Aquele que Me enviou. Vai chegar a noite, em que ninguém pode trabalhar. Enquanto Eu estou no mundo, sou a luz do mundo». Dito isto, cuspiu em terra, fez com a saliva um pouco de lodo e ungiu os olhos do cego. Depois disse-lhe: «Vai lavar-te à piscina de Siloé»; Siloé quer dizer «Enviado». Ele foi, lavou-se e ficou a ver. Entretanto, perguntavam os vizinhos e os que antes o viam a mendigar: «Não é este o que costumava estar sentado a pedir esmola?». Uns diziam: «É ele». Outros afirmavam: «Não é. É parecido com ele». Mas ele próprio dizia: «Sou eu». Perguntaram-lhe então: «Como foi que se abriram os teus olhos?». Ele respondeu: «Esse homem, que se chama Jesus, fez um pouco de lodo, ungiu-me os olhos e disse-me: ‘Vai lavar-te à piscina de Siloé’. Eu fui, lavei-me e comecei a ver». Perguntaram-lhe ainda: «Onde está Ele?». O homem respondeu: «Não sei». Levaram aos fariseus o que tinha sido cego. Era sábado esse dia em que Jesus fizera lodo e lhe tinha aberto os olhos. Por isso, os fariseus perguntaram ao homem como tinha recuperado a vista. Ele declarou-lhes: «Jesus pôs-me lodo nos olhos; depois fui lavar-me e agora vejo». Diziam alguns dos fariseus: «Esse homem não vem de Deus, porque não guarda o sábado». Outros observavam: «Como pode um pecador fazer tais milagres?». E havia desacordo entre eles. Perguntaram então novamente ao cego: «Tu que dizes d’Aquele que te deu a vista?». O homem respondeu: «É um profeta». Os judeus não quiseram acreditar que ele tinha sido cego e começara a ver. Chamaram então os pais dele e perguntaram-lhes: «É este o vosso filho? É verdade que nasceu cego? Como é que ele agora vê?». Os pais responderam: «Sabemos que este é o nosso filho e que nasceu cego; mas não sabemos como é que ele agora vê, nem sabemos quem lhe abriu os olhos. Ele já tem idade para responder; perguntai-lho vós». Foi por medo que eles deram esta resposta, porque os judeus tinham decidido expulsar da sinagoga quem reconhecesse que Jesus era o Messias. Por isso é que disseram: «Ele já tem idade para responder; perguntai-lho vós». Os judeus chamaram outra vez o que tinha sido cego e disseram-lhe: «Dá glória a Deus. Nós sabemos que esse homem é pecador». Ele respondeu: «Se é pecador, não sei. O que sei é que eu era cego e agora vejo». Perguntaram-lhe então: «Que te fez Ele? Como te abriu os olhos?». O homem replicou: «Já vos disse e não destes ouvidos. Porque desejais ouvi-lo novamente? Também quereis fazer-vos seus discípulos?». Então insultaram-no e disseram-lhe: «Tu é que és seu discípulo; nós somos discípulos de Moisés. Nós sabemos que Deus falou a Moisés; mas este, nem sabemos de onde é». O homem respondeu-lhes: «Isto é realmente estranho: não sabeis de onde Ele é, mas a verdade é que Ele me deu a vista. Ora, nós sabemos que Deus não escuta os pecadores, mas escuta aqueles que O adoram e fazem a sua vontade. Nunca se ouviu dizer que alguém tenha aberto os olhos a um cego de nascença. Se Ele não viesse de Deus, nada podia fazer». Replicaram-lhe então eles: «Tu nasceste inteiramente em pecado e pretendes ensinar-nos?». E expulsaram-no. Jesus soube que o tinham expulsado e, encontrando-o, disse-lhe: «Tu acreditas no Filho do homem?». Ele respondeu-Lhe: «Quem é, Senhor, para que eu acredite n'Ele?». Disse-lhe Jesus: «Já O viste: é quem está a falar contigo». O homem prostrou-se diante de Jesus e exclamou: «Eu creio, Senhor». Então Jesus disse: «Eu vim a este mundo para exercer um juízo: os que não vêem ficarão a ver; os que vêem ficarão cegos». Alguns fariseus que estavam com Ele, ouvindo isto, perguntaram-Lhe: «Nós também somos cegos?». Respondeu-lhes Jesus: «Se fôsseis cegos, não teríeis pecado. Mas como agora dizeis: ‘Nós vemos’, o vosso pecado permanece». 
Palavra da salvação. 




ORAÇÃO DOS FIÉIS


1. Pela Igreja, por esta Diocese de N. e suas comunidades, 
para que o Senhor lhes dê a água viva 
e as torne fonte de graça e de perdão, 
oremos. 

2. Pelos responsáveis e governantes deste mundo,
para que o Senhor lhes dê a água viva 
e faça deles homens de paz e de justiça, 
oremos. 

3. Pelos órfãos, as viúvas e todos os que sofrem, 
para que o Senhor lhes dê a água viva, 
os proteja, lhes dê alívio e os conforte, 
oremos. 

4. Pelos catecúmenos que caminham para a Páscoa, 
para que o Senhor lhes dê a água viva 
e os ensine a perdoar e a repartir, 
oremos. 

5. Por todos nós aqui reunidos em assembleia, 
para que o Senhor nos dê a água viva 
e não deixe que fechemos os nossos corações, 
oremos. 

Leituras dominicais de 26 de março de 2017






PEREGRINAÇÃO DE SUA SANTIDADE O PAPA FRANCISCO AO
SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
por ocasião do Centenário das Aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria
12-13 DE MAIO DE 2017
PROGRAMA, 20.03.2017

Sexta-feira, 12 de Maio de 2017

14:00        Partida do Aeroporto de Roma/Fiumicino para Monte Real
16:20        Chegada à Base Aérea de Monte Real
                   CERIMÓNIA DE BOAS-VINDAS
16:35        ENCONTRO PRIVADO COM O PRESIDENTE DA REPÚBLICA
                   na Base Aérea de Monte Real
16:55        Visita à Capela da Base Aérea
17:15        Deslocação em helicóptero para o Estádio de Fátima
17:35        Chegada ao Estádio de Fátima e deslocação para o Santuário
                   em viatura aberta
18:15        VISITA À CAPELINHA DAS APARIÇÕES     Oração do Santo Padre
21:30        BÊNÇÃO DAS VELAS na Capelinha das Aparições                   
                 Saudação do Santo Padre
                   RECITAÇÃO DO SANTO ROSÁRIO

Sábado, 13 de Maio de 2017

09:10        Encontro com o Primeiro-Ministro
09:40        Visita à Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima
10:00        SANTA MISSA no Recinto do Santuário                                    
                 Homilia do Santo Padre
                 Saudação do Santo Padre  aos doentes
12:30        Almoço com os Bispos de Portugal na Casa “Nª Sr.ª do Carmo”
14:45        CERIMÓNIA DE DESPEDIDA na Base Aérea de Monte Real
15:00        Partida de avião da Base Aérea de Monte Real para Roma
19:05        Chegada ao Aeroporto de Roma/Ciampino

Programa da visita do Samto Padre a Fátima


Apoio a peregrinos!


2ª Conferência: "A Mensagem de Fátima" - Mons. Luciano Guerra


Avisos de 19 a 26 de março de 2017















Para fazer a inscrição basta preencher  o Boletim de Inscrição e enviar-nos para o email: paroquiaportodemos@gmail.com, juntamente com o comprovativo da transferência bancária para o

IBAN: PT 50 0046 0276 006 000 64331 64

do valor mínimo de 415 euros

Outras informações ligar para P. José Alves - 963324133 
 

Peregrinação à Terra Santa



Serviço de Apoio à Maternidade em Dificuldade




Celebração do Jubileu das Vocações


III DOMINGO DA QUARESMA


LEITURA I Ex 17, 3-7

Leitura do Livro do Êxodo
Naqueles dias, o povo israelita, atormentado pela sede, começou a altercar com Moisés, dizendo: «Porque nos tiraste do Egipto? Para nos deixares morrer à sede, a nós, aos nossos filhos e aos nossos rebanhos?». Então Moisés clamou ao Senhor, dizendo: «Que hei-de fazer a este povo? Pouco falta para me apedrejarem». O Senhor respondeu a Moisés: «Passa para a frente do povo e leva contigo alguns anciãos de Israel. Toma na mão a vara com que fustigaste o Rio e põe-te a caminho. Eu estarei diante de ti, sobre o rochedo, no monte Horeb. Baterás no rochedo e dele sairá água; então o povo poderá beber». Moisés assim fez à vista dos anciãos de Israel. E chamou àquele lugar Massa e Meriba, por causa da altercação dos filhos de Israel e por terem tentado o Senhor, ao dizerem: «O Senhor está ou não no meio de nós?».
Palavra do Senhor. 







LEITURA II Rom 5, 1-2.5-8

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos: Tendo sido justificados pela fé, estamos em paz com Deus, por Nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual temos acesso, na fé, a esta graça em que permanecemos e nos gloriamos, apoiados na esperança da glória de Deus. Ora, a esperança não engana, porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. Quando ainda éramos fracos, Cristo morreu pelos ímpios no tempo determinado. Dificilmente alguém morre por um justo; por um homem bom, talvez alguém tivesse a coragem de morrer. Mas Deus prova assim o seu amor para connosco: Cristo morreu por nós, quando éramos ainda pecadores.
Palavra do Senhor.  




EVANGELHO – Forma longa Jo 4, 5-42

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, chegou Jesus a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, junto da propriedade que Jacob tinha dado a seu filho José, onde estava o poço de Jacob. Jesus, cansado da caminhada, sentou-Se à beira do poço. Era por volta do meio-dia. Veio uma mulher da Samaria para tirar água. Disse-lhe Jesus: «Dá-Me de beber». Os discípulos tinham ido à cidade comprar alimentos. Respondeu-Lhe a samaritana: «Como é que Tu, sendo judeu, me pedes de beber, sendo eu samaritana?». De facto, os judeus não se dão com os samaritanos. Disse-lhe Jesus: «Se conhecesses o dom de Deus e quem é Aquele que te diz: ‘Dá-Me de beber’, tu é que Lhe pedirias e Ele te daria água viva». Respondeu-Lhe a mulher: «Senhor, Tu nem sequer tens um balde, e o poço é fundo: donde Te vem a água viva? Serás Tu maior do que o nosso pai Jacob, que nos deu este poço, do qual ele mesmo bebeu, com os seus filhos e os seus rebanhos?». Disse-Lhe Jesus: «Todo aquele que bebe desta água voltará a ter sede. Mas aquele que beber da água que Eu lhe der nunca mais terá sede: a água que Eu lhe der tornar-se-á nele uma nascente que jorra para a vida eterna». «Senhor, – suplicou a mulher – dá-me dessa água, para que eu não sinta mais sede e não tenha de vir aqui buscá-la». Disse-lhe Jesus: «Vai chamar o teu marido e volta aqui». Respondeu-lhe a mulher: «Não tenho marido». Jesus replicou: «Disseste bem que não tens marido, pois tiveste cinco e aquele que tens agora não é teu marido. Neste ponto falaste verdade». Disse-lhe a mulher: «Senhor, vejo que és profeta. Os nossos antepassados adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém que se deve adorar». Disse-lhe Jesus: «Mulher, acredita em Mim: Vai chegar a hora em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus. Mas vai chegar a hora – e já chegou – em que os verdadeiros adoradores hão-de adorar o Pai em espírito e verdade, pois são esses os adoradores que o Pai deseja. Deus é espírito e os seus adoradores devem adorá-l’O em espírito e verdade». Disse-Lhe a mulher: «Eu sei que há-de vir o Messias, isto é, Aquele que chamam Cristo. Quando vier, há-de anunciar-nos todas as coisas». Respondeu-lhe Jesus: «Sou Eu, que estou a falar contigo». Nisto, chegaram os discípulos e ficaram admirados por Ele estar a falar com aquela mulher, mas nenhum deles Lhe perguntou: «Que pretendes?», ou então: «Porque falas com ela?». A mulher deixou a bilha, correu à cidade e falou a todos: «Vinde ver um homem que me disse tudo o que eu fiz. Não será Ele o Messias?». Eles saíram da cidade e vieram ter com Jesus. Entretanto, os discípulos insistiam com Ele, dizendo: «Mestre, come». Mas Ele respondeu-lhes: «Eu tenho um alimento para comer que vós não conheceis». Os discípulos perguntavam uns aos outros: «Porventura alguém Lhe trouxe de comer?». Disse-lhes Jesus: «O meu alimento é fazer a vontade d’Aquele que Me enviou e realizar a sua obra. Não dizeis vós que dentro de quatro meses chegará o tempo da colheita? Pois bem, Eu digo-vos: Erguei os olhos e vede os campos, que já estão loiros para a ceifa. Já o ceifeiro recebe o salário e recolhe o fruto para a vida eterna e, deste modo, se alegra o semeador juntamente com o ceifeiro. Nisto se verifica o ditado: ‘Um é o que semeia e outro o que ceifa’. Eu mandei-vos ceifar o que não trabalhastes. Outros trabalharam e vós aproveitais-vos do seu trabalho». Muitos samaritanos daquela cidade acreditaram em Jesus, por causa da palavra da mulher, que testemunhava: «Ele disse-me tudo o que eu fiz». Por isso os samaritanos, quando vieram ao encontro de Jesus, pediram-Lhe que ficasse com eles. E ficou lá dois dias. Ao ouvi-l’O, muitos acreditaram e diziam à mulher: «Já não é por causa das tuas palavras que acreditamos. Nós próprios ouvimos e sabemos que Ele é realmente o Salvador do mundo».
Palavra da salvação.  




ORAÇÃO DOS FIÉIS 

1. Para que estes eleitos meditem, em seu coração,
na palavra divina que lhes foi anunciada
e a saboreiem sempre cada vez mais,
oremos.


2. Para que reconheçam em Cristo, Filho de Deus,
Aquele que veio salvar os que estavam perdidos
e humildemente se confessem pecadores,
oremos.


3. Para que, sinceramente, saibam rejeitar
o que na sua vida desagrada a Cristo e a Ele se opõe
e falem como aprenderam no Evangelho,
oremos.


4. Para que o Espírito, que penetra os corações,
os robusteça com a sua força e sabedoria
e os ensine a conhecer e a fazer o que Deus quer,
oremos.


5. Para que as famílias e os amigos destes eleitos
ponham a sua esperança em Cristo Salvador
e n’Ele encontrem a paz e a santidade,
oremos.

Leituras dominicais de 19 de março de 2017


Senhor dos Passos 2017


Avisos paroquiais de 12 a 19 de março de 2017


Colheira de sangue- Bombeiros Voluntários de Porto de Mós

A paróquia de Porto de Mós já começou a realização das Via-Sacras pelas ruas da freguesia de Porto de Mós.

De capela a capela, sextas-feiras e domingos, durante toda a quaresma, faça chuva ou sol, haverá uma via-sacra,

 Este exercício penitêncial característico do tempo da quaresma é muito participativo e envolve tanto as pessoas que participam na Via-sacra como aquelas pessoas que moram pelas ruas que são usadas em cada uma dessas via-sacras. Muitas pessoas ora colocam velas, ora cartazes, ora flores e tantos outros elementos que dignificam e representam o momento que se está a viver.

É uma iniciativa que já se vem a ser realizada há vários anos, terminando com a via-sacra mais solene na ecopista. Local de paisagens de rara beleza e de ambiente propício à oração.

Este ano, pelo centenário das aparições ao santuário de fátima, haverá mais uma via-sacra a ser realizada no 5º domingo da quaresma, dia 2 Abril, do santu+ario de Fátima até aos valinhos.

Ficam algumas fotos de alguns desses momentos já vividos este ano:




Via-Sacras de rua na paróquia de Porto de Mós


II DOMINGO DA QUARESMA 


LEITURA I Gen 12, 1-4a 

Leitura do Livro do Génesis
Naqueles dias, o Senhor disse a Abraão: «Deixa a tua terra, a tua família e a casa de teu pai e vai para a terra que Eu te indicar. Farei de ti uma grande nação e te abençoarei; engrandecerei o teu nome e serás uma bênção. Abençoarei a quem te abençoar, amaldiçoarei a quem te amaldiçoar; por ti serão abençoadas todas as nações da terra». Abraão partiu, como o Senhor lhe tinha ordenado.
Palavra do Senhor.
  



LEITURA II 2 Tim 1, 8b-10 


Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo a Timóteo
Caríssimo: Sofre comigo pelo Evangelho, apoiado na força de Deus. Ele salvou-nos e chamou-nos à santidade, não em virtude das nossas obras, mas do seu próprio desígnio e da sua graça. Esta graça, que nos foi dada em Cristo Jesus, desde toda a eternidade, manifestou-se agora pelo aparecimento de Cristo Jesus, nosso Salvador, que destruiu a morte e fez brilhar a vida e a imortalidade, por meio do Evangelho.
Palavra do Senhor.  




EVANGELHO Mt 17, 1-9

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e levou-os, em particular, a um alto monte e transfigurou-Se diante deles: o seu rosto ficou resplandecente como o sol e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E apareceram Moisés e Elias a falar com Ele. Pedro disse a Jesus: «Senhor, como é bom estarmos aqui! Se quiseres, farei aqui três tendas: uma para Ti, outra para Moisés e outra para Elias». Ainda ele falava, quando uma nuvem luminosa os cobriu com a sua sombra e da nuvem uma voz dizia: «Este é o meu Filho muito amado, no qual pus toda a minha complacência. Escutai-O». Ao ouvirem estas palavras, os discípulos caíram de rosto por terra e assustaram-se muito. Então Jesus aproximou-Se e, tocando-os, disse: «Levantai-vos e não temais». Erguendo os olhos, eles não viram mais ninguém, senão Jesus. Ao descerem do monte, Jesus deu-lhes esta ordem: «Não conteis a ninguém esta visão, até o Filho do homem ressuscitar dos mortos».
Palavra da salvação. 



ORAÇÃO DOS FIÉIS  


1. Para que o Papa N., os bispos e os presbíteros a ele unidos
recebam a graça de sofrer pelo Evangelho
e ponham a confiança em Deus, como Abraão,
oremos.


2. Para que os governos das várias nações
defendam os cidadãos e os seus direitos,
e tudo façam pelos mais pobres e esquecidos,
oremos.


3. Para que os doentes e todos os que sofrem
vivam unidos à cruz do nosso Salvador
e, um dia, cheguem à contemplação da sua glória,
oremos.


4. Para que os fiéis que se reúnem ao domingo
dêem testemunho de Jesus Cristo, luz do mundo,
aos que lhes pedem a razão da sua esperança,
oremos.


5. Para que esta assembleia de cristãos,
à medida que comunga o Pão do Céu,
se transfigure como Jesus no monte santo,
oremos.


Avisos Paroquiais de 5 a 12 de março de 2017


Semana Nacional Cáritas- 12 a 19 de março 2017


Livro do Mês de Março:

Narra um problema que é comum a grandes cidades como Roma, Paris, Lisboa, Porto como tamb+em em pequenas cidades e vilas.
Uma freira no mundo da prostituição tentando a ajudar aquelas que são manipuladas e exploradas por redes de tráfico humano. 

Um Livro a ler! 




Livro do Mês de Março do Clube de Leitura

http://leepartilha.blogspot.pt/2017/03/quebrar-as-cadeias-livro-do-mes-de.html


I DOMINGO DA QUARESMA 


LEITURA I Gen 2, 7-9; 3, 1-7 


Leitura do Livro do Génesis
O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida, e o homem tornou-se um ser vivo. Depois, o Senhor Deus plantou um jardim no Éden, a oriente, e nele colocou o homem que tinha formado. Fez nascer na terra toda a espécie de árvores, de frutos agradáveis à vista e bons para comer, entre as quais a árvore da vida, no meio do jardim, e a árvore da ciência do bem e do mal. Ora, a serpente era o mais astucioso de todos os animais dos campos que o Senhor Deus tinha feito. Ela disse à mulher: «É verdade que Deus vos disse: ‘Não podeis comer o fruto de nenhuma árvore do jardim’?». A mulher respondeu: «Podemos comer o fruto das árvores do jardim; mas, quanto ao fruto da árvore que está no meio do jardim, Deus avisou-nos: ‘Não podeis comer dele nem tocar-lhe, senão morrereis’». A serpente replicou à mulher: «De maneira nenhuma! Não morrereis. Mas Deus sabe que, no dia em que o comerdes, abrir-se-ão os vossos olhos e sereis como deuses, ficando a conhecer o bem e o mal». A mulher viu então que o fruto da árvore era bom para comer e agradável à vista, e precioso para esclarecer a inteligência. Colheu fruto da árvore e comeu; depois deu-o ao marido, que comeu juntamente com ela. Abriram-se então os seus olhos e compreenderam que estavam despidos. Por isso, entrelaçaram folhas de figueira e cingiram os rins com elas.
Palavra do Senhor.  




LEITURA II – Forma longa Rom 5, 12-19 

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos: Assim como por um só homem entrou o pecado no mundo e pelo pecado a morte, assim também a morte atingiu todos os homens, porque todos pecaram. De facto, até à Lei, existia o pecado no mundo. Mas o pecado não é levado em conta, se não houver lei. Entretanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, mesmo para aqueles que não tinham pecado por uma transgressão à semelhança de Adão, que é figura d’Aquele que havia de vir. Mas o dom gratuito não é como a falta. Se pelo pecado de um só todos ¬¬¬pereceram, com muito mais razão a graça de Deus, dom contido na graça de um só homem, Jesus Cristo, se concedeu com abundância a todos os homens. E esse dom não é como o pecado de um só: o julgamento que resultou desse único pecado levou à condenação, ao passo que o dom gratuito, que veio depois de muitas faltas, leva à justificação. Se a morte reinou pelo pecado de um só homem, com muito mais razão, aqueles que recebem com abundância a graça e o dom da justiça, reinarão na vida por meio de um só, Jesus Cristo. Porque, assim como pelo pecado de um só, veio para todos os homens a condenação, assim também, pela obra de justiça de um só, virá para todos a justificação que dá a vida. De facto, como pela desobediência de um só homem, todos se tornaram pecadores, assim também, pela obediência de um só, todos se tornarão justos.
Palavra do Senhor.  




EVANGELHO Mt 4, 1-11 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto, a fim de ser tentado pelo Diabo. Jejuou quarenta dias e quarenta noites e, por fim, teve fome. O tentador aproximou-se e disse-lhe: «Se és Filho de Deus, diz a estas pedras que se transformem em pães». Jesus respondeu-lhe: «Está escrito: ‘Nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus’». Então o Diabo conduziu-O à cidade santa, levou-O ao pináculo do templo e disse-Lhe: «Se és Filho de Deus, lança-Te daqui abaixo, pois está escrito: ‘Deus mandará aos seus Anjos que te recebam nas suas mãos, para que não tropeces em alguma pedra’». Respondeu-lhe Jesus: «Também está escrito: ‘Não tentarás o Senhor teu Deus’». De novo o Diabo O levou consigo a um monte muito alto, mostrou-Lhe todos os reinos do mundo e a sua glória, e disse-Lhe: «Tudo isto Te darei, se, prostrado, me adorares». Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, porque está escrito: ‘Adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele prestarás culto’». Então o Diabo deixou-O e aproximaram-se os Anjos e serviram-n'O.
Palavra da salvação.
  



ORAÇÃO DOS FIÉIS 

1. Por todos os fiéis da santa Igreja,
para que, neste tempo favorável da Quaresma,
se reconciliem uns com os outros e com Deus,
oremos.


2. Por aqueles a quem foi dado algum poder,
para que sirvam lealmente o bem comum
e façam verdadeiros esforços pela paz,
oremos.


3. Por todos os discípulos de Cristo,
para que se convertam e acreditem no Evangelho
e, em segredo, dêem esmola, rezem e jejuem,
oremos.


4. Pelos doentes e por todos os que sofrem,
pelos pobres, pelos pecadores e pelos famintos,
para que tenham quem os socorra e alivie,
oremos.


5. Pela nossa assembleia aqui presente,
para que receba a graça de seguir a Cristo,
no caminho da renovação pascal,
oremos.

Leituras dominicais de 5 de março de 2017


Avisos paroquiais de 26 de fevereiro e 5 de março de 2017


Vias-sacras de Rua - Quaresma 2017- Vias-sacras de Rua


"Memórias da Irmã Lúcia"













Em termos gerais:  
Adorei o livro, ou melhor, adorei a história de vida que o livro nos traz. Não foi tanto a forma como está escrito, nem tão pouco a seleção que foi feita do que devia constar nesta edição, mas gostei imenso de ir descobrindo esta alma de eleição, através das cartas, que nos vão revelando a profundidade de entrega desta jovem, ao longo do pouco tempo que viveu neste mundo.
Realço, tal como o fez o Pe. Joseph de Sainte Marie, na “Apresentação” do livro, a importância, não só dos diversos dons com que Claire foi agraciada por Deus, mas, sobretudo, da educação cristã, desde bebé, que recebeu no seio da sua família, com especial relevância para a intervenção dos seus pais.
É também de assinalar que não se tratou de uma vida fácil, pois, para além do seu próprio sofrimento, com internamento hospitalar por várias vezes, acompanhou o seu pai e a sua mãe quando estes, por sua vez, foram hospitalizados.
Outro marco importante do seu crescimento, no amor e entrega  a Deus, é a fase em que foi estudar para Roma em que, passa por várias experiências, entre as quais uma crise espiritual, da qual acaba por sair muito mais “madura”.
Também é de referir a importância da sua peregrinação à Terra Santa, como o culminar de uma caminhada em direção à descoberta do verdadeiro Amor, terminando ela por escrever, na página 149: “…uma peregrinação extenuante e transtornante, no sentido próprio do termo. Em três semanas, a minha vida mudou completamente de ótica: além da minha familiaridade com a Santíssima Virgem, descubro o Amor de Deus, imenso, surpreendente e tão simples.”
A seguir acompanhamo-la  até Assis, no restauro da capela de S.Martinho, de Simone Martini e dá para perceber quão sensível e apaixonada pela arte, pelo “belo”(…) “maravilhosos frescos, aliás muito, muito belos, os mais belos das duas basílicas e, sobretudo, cheios de vida espiritual que não pode deixar de nos tocar. Incrível como, seis séculos e meio depois, este tipo pode fazer passar para nós a sua alma, enquanto o restauramos.”
Por fim, o que ressalta como denominador comum, que perpassa por toda a vida de Claire, é a alegria, que vive e espalha à sua volta, na qual envolve todos os que com ela convivem. É uma alegria missionária, através da qual procura cativar todos para Deus.

Mais em pormenor:
Pág. 58 – “… a vida é bela, o tempo também, e também o desenho a aguarela que fiz: a minha primeira aguarela!
            - sinto-me livre, ainda que no convento, e cheia de dons em potência, que procuro desenvolver convosco (com a vossa ajuda).
            - um trabalhador canta e é feliz por viver. Eu também.
            - um raio de luz brinca por cima dos tijolos da lareira.
            É curioso, quantos motivos de felicidade se podem encontrar se refletirmos! A vida não é senão felicidade! São os homens que fazem a infelicidade. Se toda a gente o pudesse compreender! (setembro de 1969 – 16 anos).

Pág. 59 – “ (…) Dizes estar triste. Ó! Porquê? Porquê, se a vida, globalmente, é tão bela e, nas pequenas coisas, a vida pode ser tão bela!(…) Nunca desanimes! É a pior das asneiras. Assim que começares a fraquejar, chama depressa a Virgem Santíssima e o teu Anjo da Guarda, e está segura que te ajudarão. São os melhores amigos, e tão poderosos! Depois, agradece-lhes. O remédio é excelente. Foi a minha Mãe que me ensinou isto na infância …”

Pág.75/76 – “(…) não tendo podido ir à Missa da manhã, por me ter levantado tarde, venho agora de lá: é uma menos um quarto. Estou cheia de Deus, não podes fazer ideia até que ponto; ao voltar à motorizada, rezei intensamente para que participes comigo desta plenitude. Não te é possível materialmente? Mas não achas extraordinário poder fazê-lo a mil quilómetros de distância? O que me faz pensar em Van Gogh, que se maravilhava de «tudo» sob o sol: seja um, mil ou dez milhões, temos sempre a mesma possibilidade de calor ao sol, e um homem sozinho não teria mais calor do que a multidão. O sol é para todos e para cada um e reparte-se sem se decompor.”

Pág.169 – “Esta apoteose de alegria, esta vitalidade, manifesta-as a todo o instante. Irradia felicidade. Repete incansavelmente: «Sou feliz! Amo tanto a vida! Mas percebei como eu sou feliz! Como Deus é bom!». Esta felicidade profunda não se desmente com o passar dos dias. É verdade que se conhecia uma Claire de um natural alegre, que ria às gargalhadas, levando as coisas com humor e sã filosofia, feliz de viver e proclamando-o… Mas esta Claire que regressou, esta Claire tinha mudado: era outra. Estava literalmente transfigurada. E esta alegria não enganava. Era bem a alegria dos filhos de Deus, que tudo entregam nas suas mãos, que Lhe consagram uma confiança absoluta, que já nada temem, de tanto amados que se sentem e de tanto que amam. Provada e purificada, a sua fé triunfava.”

Viver Deus na alegria